Viagens na Minha Terra: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de Almeida Garret

Capítulo 6

O autor deixa de lado a viagem no mundo real e viaja pelo mundo das ideias. Primeiramente ressalta sua identificação com Camões, que considerava um autor à frente de seu tempo, valorizando sua decisão em mesclar a cultura cristã à mitológica grega n’Os Lusíadas, “a Ilíada dos povos modernos”.

Baixar eBooks

Em seguida compara outras obras que ele considera grandiosas, Divina Comédia, de Dante, e Fausto, de Goethe, a Os Lusíadas, observando que elas têm em comum a fé: em Deus, no ceticismo e na pátria, respectivamente. Decide então que sua obra será guiada por sua fé em Camões. Lamenta que em seu tempo, de maiores liberdades, os autores não sejam tão despojados quanto os que citou, que viviam em tempos de trevas e ainda assim construíram suas obras.

Decide viajar então para o inferno, ou melhor, para a região dos Elísios, da Estige e do Cócito – citando Dante – onde “se pode parlamentar com os mortos sem comprometimento sério”, pois deseja fazer algumas perguntas a Marquês de Pombal, figura política controversa de Portugal, adepto do despotismo esclarecido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lá encontra Pombal durante um jogo de cartas com aqueles que, antes, eram seus inimigos políticos. Observa, então, que não há amigos ou inimigos políticos a partir da entrada na “eternidade”. O autor fracassa em sua tentativa de questionar o Marquês, que desconversa e sai andando.

Volta ao mundo real, em sua viagem que agora está na região de Cartaxo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anterior Índice Próximo

Baixar eBook (R$9,90)

O que achou do resumo?
Ficou com alguma dúvida?
Qual a sua interpretação do texto?
Deixe seu comentário no final desta página ;)

Adquira os eBooks para
ter acesso total ao conteúdo
e contribua com nosso trabalho ;)

Clique aqui para
visitar nossa Livraria Virtual