Viagens na Minha Terra: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de Almeida Garret

Capítulo 42

Ainda sobre as ruínas portuguesas, o autor defende que seria melhor que estivessem simplesmente abandonadas, tomadas pela natureza, do que terem sofrido as modificações que sofreram, que desconfiguram totalmente os prédios originais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Antes de partir de Santarém lembra que precisa visitar também o túmulo del-rei Fernando. Ao encontrá-lo, descobre que este também está violado, com um buraco na lateral, que provavelmente foi usado para o roubo de possíveis joias que teriam sido enterradas com o rei. Decidiu meter o braço dentro do túmulo e descobriu duas caveiras: de um homem e de uma criança. Riu-se ao imaginar os ladrões do túmulo percebendo que a cova de um rei é igual à cova de um mendigo: ossos, terra e pó.

Lamenta esse descuido com os restos mortais de grandes portugueses, como Camões e Duarte Pacheco – dos quais não se sabe onde estão os túmulos. Ataca então a sociedade portuguesa como um todo de forma violenta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cita Jesus expulsando os mercadores do templo como argumento para sua postura: apesar de Cristo ter sido paciente e tolerante, ao ver agiotas agindo dentro do templo partiu para a ação direta, levando-os para fora.

Baixar eBook

Anterior Índice Próximo

O que achou do resumo?
Ficou com alguma dúvida?
Qual a sua interpretação do texto?
Deixe seu comentário no final desta página ;)

Adquira os eBooks para
ter acesso total ao conteúdo
e contribua com nosso trabalho ;)

Clique aqui para
visitar nossa Livraria Virtual