Til: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de José de Alencar, por Bruno Alves

ATENÇÃO: A experiência artística da leitura literária é única e pessoal: sempre que puder, entre em contato com os textos originais para compreender os livros em sua essência.

Parte 4 – Capítulo 9 – Na tapera

Três dias após o incêndio Miguel noticiou a Berta que Jão havia sido preso em Campinas, devia ir à forca. O garoto despediu-se, iria encontrar Linda, o que causou um princípio de ciúme em Berta, mas ela logo se pôs a pensar em Jão Fera: pesar de ver o capanga cometendo atrocidades na noite de São João, ameaçando o próprio Miguel, a menina ainda sentia pena do homem.

Indo até a tapera, Berta encontrou Zana numa posição diferente, em meio ao pátio, com olhos arregalados, como se procurasse por algo na mata. A garota nem deu importância a isso, até que a preta a agarrou e levou-lhe para dentro da casa, voltando depois ao terreiro, espreitando o mato.

O que Berta não viu foi o vulto de um homem que se aproximava: era Ribeiro. Após o incêndio ele fugiu, mas chegando a Campinas soube da prisão do Fera. Ficou confortável para voltar a Santa Bárbara e lá visitou a tapera onde um dia viveu sua mulher. Descobriu Zana e desconfiou, desde então, que Berta era a filha de Besita. Agora surgia a oportunidade de completar sua vingança e matar a menina, o que não conseguiu fazer quando ela era um bebê.

Não entendendo o comportamento da preta, Berta voltou a pensar em Linda, que esteve todo o tempo impedida pela mãe de ver Miguel. Ela se dividia entre contentar-se pela esperança de ter Miguel para si e lamentar-se pelo destino da amiga.

Enquanto isso Ribeiro continuava à espreita, cada vez mais perto de Berta, vindo pelo lado oposto a Zana, que também se aproximava da menina com o intuito de protegê-la.

Anterior Índice Próximo
error: Compre nossos ebook, a partir de R$ 5,90, para ter acesso aos textos com a opção copiar/colar habilitada ;)