Macunaíma: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de Mário de Andrade

14 – Muiraquitã

Na manhã seguinte Macunaíma acordou animado: havia a notícia de que Venceslau Pietro Pietra retornaria a São Paulo e o herói testou sua força, arrancando uma árvore do chão, para aquele que seria o confronte final com o gigante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto aguardava a chegada do Piaimã, Macunaíma escapou de Emoron-Pódole, o Pai do Sono, que o atormentava e puxou conversa com um chofer do monstro, que aproveitava a folga para brincar com uma criada à beira de uma lagoa. O herói descreveu o “mito” que explicava a transformação da onça na “máquina automóvel”.

Com a chegada do gigante, Macunaíma e os empregados foram convidados a entrar em sua casa. O chofer foi levado a um balanço que era, na realidade, uma máquina de tortura: seu corpo batia nos espinhos de uma árvore e o sangue escorria para um caldeirão onde a mulher do Piaimã preparava uma macarronada. Quando foi a vez de Macunaíma, o herói foi esperto e convidou Venceslau para balançar primeiro: convencido disso, o gigante foi derrotado pelo índio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Macunaíma recuperou enfim sua muiraquitã, mas ainda sentia falta de Ci.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anterior Índice Próximo

Baixar eBook (R$9,90)

O que achou do resumo?
Ficou com alguma dúvida?
Qual a sua interpretação do texto?
Deixe seu comentário no final desta página ;)

Adquira os eBooks para
ter acesso total ao conteúdo
e contribua com nosso trabalho ;)

Clique aqui para
visitar nossa Livraria Virtual