Caminhos Cruzados: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de Erico Verissimo, por Bruno Alves

SEGUNDA-FEIRA

Capítulo 38

Clarimundo toma o bonde elétrico com desgosto: encontrar pessoas estranhas, dividir o espaço com elas, arriscar-se a um acidente de trânsito, tudo o atemoriza. O progresso só tem valor, para ele, por conta da ciência desenvolvida. Mas as máquinas que cada vez mais habitam o mundo são um estorvo: elétricos, automóveis, rádios…

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atordoado, encontra a casa de José Maria Pedrosa. Com medo de um possível cachorro, cruza o rico jardim e entra no luxuoso hall. Fica constrangido com a chegada de Chinita, vestida em um pijama, de calças. Ela pede desculpas: não poderá ter aula, pois à noite haverá a festa de inauguração do palacete e há muito que fazer.

Clarimundo já está acostumado às desculpas da garota. Recebeu o pagamento por um mês de trabalho, mas não passou da lição inicial. Ofendido pelo pagamento “indevido”, o professor argumenta com Mariana – não se sente à vontade para chamá-la pelo apelido – mas ela insiste que a culpa era sempre dela e ele tinha o trabalho de ir sempre à sua casa.

Ainda impressionado por ver uma mulher usando calças, Clarimundo sai pela rua, indignado com as modernidades.

Gostou desse resumo?
Ficou com alguma dúvida?
Deseja contribuir com alguma informação adicional?
Deixe seu comentário no final desta página 😉

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anterior Índice Próximo
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
error: Se interessou em nosso trabalho? Adquira nossos eBooks: para baixar, imprimir e ler quando quiser.