Angústia: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de Graciliano Ramos

Capítulo 35

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A perseguição noturna continua, com os pensamentos de Luís variando entre lembranças longínquas dos capangas de seu avô, alguns condenados à cadeia, e considerações sobre Julião e sobre si próprio.

O narrador tinha em mente a imagem de José Baía, matador de renome em sua infância, quando pegou a corda em seu bolso e saltou sobre o corpo da vítima, laçando seu pescoço. Julião esforçou-se numa breve luta, balançando para a frente e depois quase caindo para trás, sobre o corpo de seu assassino, mas não resistiu e tombou desfalecido. Luís da Silva teve a sutil sensação de não ser a mesma pessoa: havia abandonado o papel subserviente que incorporara desde a infância, sempre fazendo o que os outros mandassem, e isto o alegrava.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atormentado pelo seu próprio ato, Luís ficou alguns instantes sem saber qual atitude tomar: deixaria o corpo de Julião escondido entre as folhas? Ou o carregaria até a cidade? Chegou a iniciar uma escavação com as próprias mãos, mas percebeu que era uma tarefa impossível sem as devidas ferramentas. Ao lembrar-se do enforcamento de seu Evaristo, decidiu amarrar o pescoço de Julião e guindá-lo num galho de árvore.

Durante o tortuoso trabalho Luís mentalizava diversos cenários em que teria seu crime descoberto, responderia a tribunais e seria condenado a trinta anos de prisão. O enorme corpo já estava suspenso quando algumas pessoas cruzaram o caminho e esbarraram no enforcado, mas apenas pediram desculpa e seguiram em frente, iludidos pela escuridão da noite e pelo nevoeiro.

Promoção 50%

Com o morto devidamente erguido Luís amarrou a corda na árvore e passou a procurar por seu chapéu, que caíra durante a luta. Primeiramente vestiu um chapéu que não lhe coube – era o de Julião – depois encontrou o seu e saiu desgovernado pelos trilhos.

No meio do caminho Luís cruzou um vagabundo que dormia e pediu um cigarro. Já chegando próximo de sua casa ele imaginou que se qualquer pessoa o visse naquele estado, com as roupas sujas e rasgadas, seria uma testemunha perfeita de seu crime. Pensava até mesmo em um possível encontro com guardas e em como imediatamente confessaria seu feito.

Protegido, em sua casa, Luís despiu-se e tomou um banho silencioso, para não despertar suspeitas na vizinhança. Suas mãos tinham ferimentos que doíam conforme eram lavados. Eram três horas quando ele bebia aguardente e fumava cigarros. Teve a impressão de alguém batendo à porta e ficou confuso, pensando em que desculpa daria para estar acordado àquela hora, mas não havia ninguém por ali. Às quatro horas caiu na cama, como um morto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anterior Índice Próximo
Baixar eBook (R$9,90)

Adquira os eBooks para
ter acesso total ao conteúdo
e contribua com nosso trabalho ;)

Clique aqui para
visitar nossa Livraria Virtual