A Escrava Isaura: Resumo Por Capítulo

Paráfrase da obra de Bernardo Guimarães

Capítulo 7

Num salão da fazenda mais de vinte negras, crioulas e mulatas trabalham com fiação e tecelagem. Tia Joaquina, uma das mais experientes do grupo, comenta que tempos difíceis estão por vir: Leôncio parecia ser um senhor ainda mais cruel que seu pai e logo as mandaria para o penoso trabalho na lavoura de café. Rosa, uma jovem mulata, quase branca e muito faceira, comenta maliciosamente a relação que haveria entre o senhor e Isaura, após a partida de Malvina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O feitor aparece trazendo uma nova roda de fiar e coloca Isaura para trabalhar com as demais escravas. A moça resigna-se a realizar suas tarefas, mas é molestada por Rosa, que a inveja por ser a preferida de Leôncio – antes disso ela era sua amante.

Na hora do jantar Isaura prefere ficar sozinha a trabalhar, para evitar novos incômodos. Entretanto surge um mulato bem vestido, pajem da fazenda, quem também a galanteia: a escrava branca não tem sossego. Para piorar, na sequência surge Leôncio, acompanhado pelo feitor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anterior Índice Próximo

Baixar eBook (R$9,90)

O que achou do resumo?
Ficou com alguma dúvida?
Qual a sua interpretação do texto?
Deixe seu comentário no final desta página ;)

Adquira os eBooks para
ter acesso total ao conteúdo
e contribua com nosso trabalho ;)

Clique aqui para
visitar nossa Livraria Virtual